Aveleda Futebol Clube : site oficial do clube de futebol de Aveleda, Vila do Conde - footeo

Entrevista a Tiago Albuquerque (Saúl): Avançado Aveleda FC

8 de março de 2018 - 12:29

1.É sabido que tem um passado futebolístico intimamente ligado ao futsal. Como foi esse percurso?

Sim, é verdade. Tive 12 anos na formação do Freixieiro, com vários títulos a nível distrital e dois a nível nacional. Depois, sem muitas oportunidades de jogar, decidi abandonar a "minha casa” e partir para uma onde fui também muito feliz, o AC Monte das Pedras, onde tive uma subida à 2ª divisão nacional e onde encontrei pessoas extraordinárias que ainda hoje fazem parte da minha vida! Tive uma passagem pelo Junqueira Futsal, da 2ª divisão nacional e aí senti mesmo a realidade do futsal financiado. Depois, o meu percurso passou pela Académica de Leça e por fim o Arsenal de Parada, onde após o nascimento da minha filha a disponibilidade começou a ser pouca para treinar 3 a 4 vezes por semana. Então, decidi abandonar e houveram também algumas discórdias com o clube. Mas foi o melhor para todos!

2.Quais foram as maiores diferenças que sentiu, em termos de jogo, em comparação com o futebol de 11?

A baliza é maior (risos)! Agora a sério, treinar e jogar ao frio foi sem dúvida a mais sentida. Depois, quem me conhece, sabe que para mim jogar de " tacão alto" é complicado! Gosto de sentir a bola a colar no pé e com pitões é mais difícil. Depois a nível tático, eram muitos jogadores e no início andava muito perdido em campo, mas quem gosta de andar a correr atrás da bola aprende! Também não posso deixar de falar, ainda para mais neste campeonato, do contacto físico. Uma pessoa habituada a ter bola aqui é impossível e existe muito choque! A realidade é outra e no pelado é muito complicado.

3.Quais foram as características que acha que conseguiu aproveitar do futsal e serem uma mais valia para o futebol de 11, atuando na sua posição? E já agora, quais as melhores caraterísticas de um avançado, na sua opinião?

Penso que o nível técnico que já tinha consegui aproveitá-lo um pouco. Depois, relativamente à minha posição (pivô), segurar bola, frieza na finalização, resolver em espaços curtos, movimentação e finta curta foram aspetos que trouxe comigo e ajudam na posição de avançado. Mas também não vamos ser enganadores com ninguém, um avançado tem de trabalhar para equipa e tem é de fazer golos, e mais nada! Golos é que dá nome a um avançado! Mas na minha opinião quando tens vontade de jogar bola, tanto jogas num bom pavilhão, ringue, no alcatrão ou terra, com 4 pedras a fazer de balizas. Ou num bom pelado, como o do Aveleda FC. Ás vezes saber bem do jogo em si não leva de sabido a vontade e querer de jogar futebol!

4.Como foi a sua vinda para o Aveleda FC e porquê que tomou essa decisão?

Ora boa pergunta! No mundo do futebol ou futsal conheces muita gente, boa e má. Tive o privilégio ou sorte de até hoje conhecer mais gente boa do que de má (risos). Houve um célebre ano, no defeso de uma época, em que fui convidado por uns amigos que jogavam na altura no Aveleda FC para fazer um torneio, sendo esse no complexo de Aveleda. Aí até fomos campeões de futebol de 7 e o treinador era o Paulo Silva, um grande senhor. E graças a esses amigos (Simão Ferreira/ Ricardo Silva) o Aveleda FC ganhou um sócio e adepto do clube. Depois, como toda a gente, onde tu és bem recebido, onde te tratam bem e dão valor tudo se torna mais fácil. E tendo em conta a minha caminhada, às vezes o dinheiro só prejudica. Primeiro, aprende amar a camisola que vestes e depois, se vier dinheiro, como um amigo meu dizia " vamos é gastar em vinho" (risos). E porque os maiores balneários que tive e tenho é quando não se é financiado. Todos ganham o mesmo, a alegria de jogar futebol.

5.Como acha que o clube tem evoluído desde o ano que chegou até agora?

Sim, concordo consigo. Tem evoluído bastante de há 3 anos para cá e tem-se notado essa evidência. Foram-se construindo os alicerces e uma estrutura que, apesar de não ser tão forte como desejávamos, com maior ou menor dificuldade vamos tratando do assunto. Desde que esta direção veio e trouxe o nosso grande treinador, um grande pilar para o sucesso, bem como a restante equipa técnica, juntamente com a nossa grande presidente Ivone Martins, sem dúvida que o Aveleda FC se tornou mais forte. Já antes o Aveleda FC era um alvo abater e agora tendo uma estrutura forte, bons treinadores e bons jogadores vamos longe! Já estão conquistados 2 grandes títulos, entrando para a história do clube, e agora com juventude e continuação do trabalho desenvolvido não tarda aparecer o que mais desejamos: o campeonato! O clube mesmo sem possibilidades trabalha em prole de todos e até para melhores condições da freguesia. Digo isso porque este ano (2018) vamos ter relvado sintético e muito graças à nossa direção que trabalhou. Por isso, aproveito para deixar aqui um pedido a todos os sócios e simpatizantes que votem na nossa presidente e que ela reconsidere e fique mais um mandato, pois merecemos todos usufruir e ela também do trabalho que teve. É fundamental dar continuidade e estabilidade. Não entregar à destruição!

6.Ao longo destes anos ligados ao futebol e futsal quais foram as pessoas que mais o marcaram? E quais foram as equipas também?

Ia tar aqui o dia todo a mencionar as pessoas que me marcaram, porque todas elas o fizeram à sua maneira e ainda hoje continuam! Mas claro que não posso deixar de mencionar o Sr. Ribeiro do Freixieiro – pelo rigor, exigência, responsabilidade e educação que impunha enquanto treinador; o Henrique Silva do AC Monte das Pedras – um treinador em que a tática reinava e todos os sábados era uma nova; Óscar Pereira do Académica de Leça – um amigo para a vida; Ricardo Silva (Maga) do Aveleda FC – em que o vi liderar a equipa como ninguém, enquanto capitão, e que foi o meu primeiro e, provavelmente, último treinador de futebol; Joaquim Reis do Aveleda FC – o eterno capitão; Fábio Silva do Aveleda FC  - o homem do leme; Ricardo Azevedo e Janeiro do Aveleda FC – os pilares das balizas. Aproveito ainda para mencionar mais dois amigos do futsal e para a vida também, o Rui Rodrigues (Troço) e Pedro Gonçalves (Pedrinha).

7.Abordando mais questões desportivas, há cerca de 2 anos sofreu uma lesão com alguma gravidade. Como tem lidado com essa situação e até que ponto o tem impedido de estar ao seu melhor nível?

Sim é verdade. Sofri uma entorse bilateral e rotura de ligamentos na qual teria ser operado! Mas maltratado de início e com a vontade grande de jogar e ajudar a equipa prejudiquei-me bastante. Tem sido muito difícil para mim lidar com isso psicologicamente. E fisicamente fui muito abaixo, ainda hoje sinto dor! Treino e jogo com dor, mas é psicológico (risos). Nada que a vontade, querer e uma pomada não resolva! Sou uma pessoa que conhece muito bem o meu corpo, fui buscar a outros músculos e à outra perna a capacidade e estabilidade de resolver a dor. Mas fico sempre muito mais vulnerável a outro tipo de lesões, nomeadamente roturas musculares e isso tem os seus riscos! As cargas físicas de pré-época não as posso ter e a dor intensa volta! Mas o importante é passar esta fase para ajudar a equipa e sermos CAMPEÕES! Pois trocava os títulos individuais e coletivos que já tive para ser campeão de futebol amador com a camisola do Aveleda FC.

8.Por fim, como analisa a atual época a nível pessoal e a nível coletivo? E, já agora, que antevisão faz do próximo jogo com o Fornelo?

A época a nível coletivo começou mal, perdemos jogadores influentes por lesões e idas para outros patamares. Mas isso não era motivo, pois trabalhamos de igual maneira e perdemos por culpa nossa alguns pontos que não devíamos perder. Agora é levantar a cabeça e trabalhar mais e melhorar. Temos tudo para dar certo a nível coletivo! A nível pessoal não há muito a dizer, eu sou apenas mais um. Como eu costumo dizer “sou aquilo que vocês quiserem. Querem golos? Joguem e eu estou lá!". Mas a realidade é outra, tenho de admitir que esta época sem dúvida que está a ser a pior a nível pessoal. As coisas não me têm saído, mas vou trabalhar junto dos meus colegas para mudar isso.

O jogo com o Fornelo é o próximo a encarar como mais uma final. Foi uma das equipas com a qual perdemos pontos na 1ª volta por culpa nossa. Temos de trabalhar bem durante a semana e, apesar das limitações, entrar para ganhar os 3 pontos e seguir a nossa caminhada até ao fim. Abraço a todos foi um prazer falar consigo. E no que depender de mim, o Aveleda FC nunca morrerá!

Comentários

  P J V E D GM GS DG  
ACD Arcos 9 3 3 0 0 9 3 +6
Bagunte 7 3 2 1 0 11 4 +7
GD Árvore 7 3 2 1 0 10 5 +5
Aveleda FC 6 2 2 0 0 6 1 +5
GDC Rio Mau 6 3 2 0 1 7 4 +3
Guilhabreu 6 3 2 0 1 6 5 +1
Desp. Vilar 6 3 2 0 1 9 7 +2
Tougues 5 3 1 2 0 5 3 +2
CDCR Gião 4 2 1 1 0 3 1 +2
10º Vairão 3 2 1 0 1 3 4 -1
11º Retorta 3 3 1 0 2 3 6 -3
12º Touguinha 3 3 1 0 2 8 12 -4
13º CCD Macieira 3 2 1 0 1 3 1 +2
14º AD Vila Chã 1 2 0 1 1 2 4 -2
15º Fornelo 0 3 0 0 3 7 12 -5
16º Labruge 0 3 0 0 3 4 10 -6
17º Fajozes 0 2 0 0 2 2 8 -6
18º FC Malta 0 3 0 0 3 2 10 -8